Sustentabilidade

Erradicar a extrema pobreza e a fome Atingir o ensino básico universal Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Reduzir a mortalidade infantil Melhorar a saúde materna Combater o HIV/Aids a malária e outras doenças Garantir a sustentabilidade ambiental Estabelecer uma Parceria Mundial para o Desenvolvimento
Home

Soluções em Cuidados com a Saúde

Atualmente, a população mundial não só está aumentando, como ficando mais velha.

Quando se fala em saúde, para onde quer que olhemos, vemos contradições. Entre as aspirações dos pacientes e a obtenção dos recursos necessários para torná-las realidade. Entre o brilhantismo das descobertas feitas pelos cientistas e sua viabilidade em larga escala. Entre aqueles que podem arcar com o melhor tratamento de saúde possível e aqueles que não têm acesso a nada. Entre a facilidade de entrega em cidades grandes e a aparente impossibilidade de transpor os desafios de alcançar áreas rurais distantes.

Todos os que trabalham no setor de Cuidados com a Saúde o fazem sob a pressão de uma realidade em que as mudanças demográficas e epidemiológicas, os custos crescentes e os avanços médicos e científicos têm cada vez mais peso. De acordo com a ONU, a população mundial deve atingir 7,5 bilhões de pessoas, em 2020.

De acordo com a ONU, a população mundial deve atingir 9 bilhões de pessoas em 2050. O gasto com saúde deve chegar a 8 trilhões de euros.

A proporção de pessoas mais velhas tem aumentado constantemente – de 8%, em 1950, para 11%, em 2007


Atualmente, a população mundial não só está aumentando, como ficando mais velha. Desde 1950, a proporção de pessoas mais velhas (60 anos ou mais) tem aumentado constantemente – de 8%, em 1950, para 11%, em 2007. A expectativa é atingir 22%, em 2050, ou seja, 2 bilhões de pessoas.

E esse não é um problema exclusivo dos países desenvolvidos. Populações mais velhas e mais doentes devem elevar dramaticamente os custos na China, Índia e em vários outros países, nos próximos anos. Nos países em desenvolvimento, apenas 8% da população têm, hoje, 60 anos ou mais, mas, em 2050, 20% das pessoas desses países estarão nessa faixa etária. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), doenças crônicas, como as do coração, câncer, infartos, diabetes e doenças respiratórias, são as principais causas de mortalidade no mundo e correspondem a 60% de todas as mortes.

Na América Latina, dados da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) indicam, também, o crescente envelhecimento da população local, que passou de 161 milhões de habitantes, em 1950, para aproximadamente 547 milhões, em 2005, o que indica uma projeção de 763 milhões de habitantes para o ano de 2050. O organismo destaca, ainda, que a parcela mais jovem da população da região aumentou 2,6 vezes, entre 1950 e 2005, mas esse mesmo segmento diminuirá aproximadamente 15% por volta de 2050.

Ainda de acordo com a Cepal, o envelhecimento da população é o principal fenômeno demográfico da época e deveria motivar os países a projetar estratégias específicas para enfrentar suas conseqüências perante a crescente fraqueza das redes de apoio familiar e a falta de serviços sociais e de condições aceitáveis de vida para as pessoas de idade avançada.

O foco da Philips é investir em inovações que reduzam a incidência e a gravidade de muitas das doenças que, hoje, são mortais e debilitantes, prioritariamente, nas áreas da cardiologia, oncologia, cuidado crítico e saúde da mulher. Procuramos melhorar a vida do paciente durante todo o tratamento, seja ele feito no hospital ou em casa, da prevenção ao diagnóstico, ao tratamento e ao monitoramento. Escutamos as pessoas que usam nossos produtos, nossos clientes e pacientes. Ao mesmo tempo, examinamos cada aspecto do processo da gestão da doença, da casa ao hospital. A compreensão humana, combinada com um sólido conhecimento clínico, permite soluções para todo o ciclo do cuidado.

A Philips passou a direcionar sua atenção para um cuidado centrado no paciente. Mais que desenvolver soluções tecnológicas para problemas isolados, a empresa direciona os esforços de pesquisa para encontrar soluções para pacientes em todos os estágios do tratamento. Esse ciclo começa antes de o paciente exibir qualquer sintoma e prossegue no diagnóstico, passa pelo tratamento hospitalar e continua num monitoramento cada vez mais simplificado e num acompanhamento de longo prazo, em casa.

Essa abordagem centrada no paciente contribui para o seu conforto. Isso pode significar a invenção de máquinas de diagnóstico por imagens tão pequenas que possam ir até onde o paciente está. Ou o desenvolvimento de uma tecnologia que possa reduzir significativamente o tempo de duração de um exame complexo. Também remete a instalações mais agradáveis, como o novo Ambient Experience Catheterization Lab (laboratório de cateterização ambientado), desenhado para proporcionar conforto e tranqüilidade aos pacientes submetidos a procedimentos estressantes. O novo laboratório – com iluminação personalizada, sons e imagens – diminui a necessidade de sedação e a duração do exame, além de contribuir para a redução da chance de repetir o procedimento.

Proporcionar soluções centradas no paciente, em cooperação com diferentes parceiros – pesquisadores, outras empresas, profissionais de saúde –, por meio do ciclo de cuidados, é uma das prioridades para a Philips.




Comunidade Consumidores e Clientes